HUACA PUCLLANA: RUÍNAS NO MEIO DE LIMA


No meio de Miraflores, um dos bairros mais famosos e turísticos de Lima, entre casas e prédios encontra-se o sítio arqueológico de Huaca Pucllana. A Grande Pirâmide feita de adobe, é um grande contraste na paisagem urbana da capital peruana.


Huaca Pucllana

#Pracegover: Foto colorida. Em primeiro plano ruínas de adobe. Ao fundo prédios. Céu azul sem nuvens.

HISTÓRIA

Normalmente, quando se fala de ruínas e sítios arqueológicos no Peru, as pessoas logo pensam nos incas. Porém, neste caso a Huaca Pucllana foi uma construção do povo de cultura de Lima. O local foi construído a partir de sete plataformas escalonadas, no período de 200 a 700 dC. Ele serviu como um importante centro cerimonial e administrativo para o avanço da civilização de Lima, uma sociedade que se desenvolveu na costa central peruana.


Huaca Puclanna

#Pracegover: Foto colorida. Em primeiro plano ruínas de adobe, com divisões em quadrados. Ao fundo casas e prédios.

A partir da segunda metade do século VII, o registro arqueológico mostra uma série de mudanças políticas e sociais em grande parte da costa e das montanhas do atual território do Peru, associadas à expansão da sociedade Wari, cujo núcleo estava localizado em Ayacucho. Estes são expressos materialmente em arquitetura, cerâmica, têxteis, iconografia e ritual em muitas de suas facetas, especialmente no funeral. Escavações arqueológicas encontraram na Huaca Pucllana objetos antigos que mostram que o espaço serviu de cemitério da elite da cultura Wari.

As escavações e estudos arqueológicos continuam a ser realizados na região da huaca, por isso podem ser que novas descobertas sejam feitas nos próximos anos. O espaço ficou "escondido" durante muito tempo, sendo redescoberto apenas na década de 1980. Antes disso, o local chegou a ser utilizado como depósito de entulho e pasmem até como pista de motocross. O espaço foi bastante afetado pelas condições climáticas e também pela demora a ser descoberto.