Maradona, o eterno D10S do futebol

Futebol não é apenas um jogo. Futebol é paixão arrebatadora que toca a alma e mexe com o ser de uma maneira inexplicável. Futebol é intensidade, é energia que corre nas veias e pulsa numa frequência única. Futebol é sagrado. Futebol é religião. Como toda religião tem seu deus, no futebol ele atende pelo nome de Diego Armando Maradona Franco.


Maradona não foi só um jogador. Foi craque, foi gênio. O Pibe de Oro argentino com sua eterna amiga, a bola, nos pés atraiu olhares de todos os cantos do mundo e colecionou títulos e aplausos. Maradona realizou feitos únicos e incomparáveis no futebol, dignos de um deus, ou no caso de um D10S.


Maradona conseguiu transformar a Copa do Mundo de 86, na Copa do Maradona. Isso tudo, especialmente, pela sua atuação contra a Inglaterra. Em uma partida, ele escreveu seu nome na história para a eternidade. Com dois gols: um antológico, que foi considerado o gol do Século XX, em que driblou seis ingleses e com o icônico e polêmico gol de mão, “La mano de Dios”, Diego classificou a Argentina para as semifinais e lavou a alma do povo argentino que estava sofrido com a Guerra das Malvinas, que aliás SÃO ARGENTINAS! Maradona com sua atuação divina trouxe a vitória no gramado e amenizou a dor da derrota no campo de batalha para nossos Hermanos.


Maradona fez com que italianos torcessem pela Argentina na Copa de 90. Com sua genialidade e carisma, fez o torcedor do Napoli trocar a “Azurra” pela camisa “Albiceleste”. Feitos únicos, que apenas um D10S poderia fazer. Arrastou multidões, e além de desfilar pelos templos do futebol, ganhou um templo particular, a Igreja Maradoniana, com fiéis de todas as partes do mundo.


Mas, don Diego não teve só vitórias na vida. Tanto no esporte, quanto em sua vida pessoal tiveram derrotas. Seu envolvimento com as drogas, cortou suas pernas. Sua carreira teve pausas forçadas, sua vida foi encurtada por isso. Maradona foi polêmico, sem papas na língua desafiou e questionou políticos, jogadores, cartolas, e reis. Ele nunca foi exemplo, nem buscou ser. Ele teve suas feridas e cicatrizes expostas. Foi ao fundo do poço, quase morreu algumas vezes. Como um milagre divino escapou da morte no início dos anos 2000. Para fazer ainda algumas obras, foi a Copa de 2010 e deu espetáculo, com terno e sapato mostrou que ainda tinha intimidade com a pelota. Não teve êxito é verdade, porém foi um espetáculo a parte.


Maradona, foi o deus mais humanos de todos. Ao mesmo tempo que seus feitos no gramado pareciam obras divinas, suas ações fora dos gramados demonstravam a fragilidade humana. Maradona é a cara do latino-americano, intenso, sofrido e visceral. Maradona, sempre foi ou preto ou branco, mas jamais cinza. Maradona foi o Maior do futebol, porque Pelé precisou se dividir em dois, entre Edson e Pelé. Maradona é único. Maradona não foi só um jogador. Maradona foi e sempre será o D10S do futebol!

Foto: Museu do Estádio Centenário do Uruguai.

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

CONHEÇA HUARAZ

O PARAÍSO NATURAL PERUANO

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • instagram_PNG11
  • Tumblr Social Icon
  • Spotify Social Icon

REDES SOCIAIS

Foto: Abrindo a Cabeça logo
Foto Leonardo Spagiani Paduan

ABRINDO A CABEÇA

  • b-facebook
  • Twitter Round
  • Instagram Black Round

DICAS DE VIAGEM, CULTURA, CURIOSIDADE DE DESTINOS TURÍSTICOS, HISTÓRIAS DE MOCHILÃO E MUITO MAIS